Sexta-Feira, dia 15 de Dezembro de 2017
Últimas Notícias
Política
Brasil
Economia
Cidades
Internacional
Esporte
Judiciário
Polícia
 
Galeria de Fotos
Galeria de Vídeos
Agenda de Eventos
Canal do Internauta
Artigos
 
Envie sua Matéria
Fale Conosco
 

 

últimas notícias

Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
Cabo da PM confessa que operou grampos de dentro do Gaeco
22/10/17 - 17:00 
Por: Karine Miranda- Gazeta Digital

 

 O cabo da Polícia Militar Gerson Luiz Ferreira Corrêa Júnior, réu na ação penal que apura o esquema de grampos telefônicos ilegais em Mato Grosso, afirmou que operou o esquema dentro do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco).

 
As interceptações ilegais teriam ocorrido em 2014, na época em que estava lotado no grupo. A afirmação foi feita pelo policial durante interrogatório prestado aos delegados Flávio Henrique Stringueta e Ana Cristina Feldner, na última segunda-feira (16).
 
Conforme Gerson, que está preso desde abril devido à sua participação no esquema, foi o cabo Luiz Torezan, também envolvido na trama, quem instalou o sistema em seu computador no Gaeco.
 
 Com isso, ele pôde ouvir as interceptações lá dentro. O esquema teria vitimado centenas de pessoas, entre políticos, médicos, empresários, jornalistas e um desembargador aposentado.
 
“Nesse período, eu estava lotado no Gaeco, fazia dupla jornada. Com o surgimento da plataforma Sentinela, facilitou muito o trabalho, porque o acompanhamento era operado pela web. Então, eu realizava algumas escutas na sede do Gaeco mesmo”, disse o cabo em depoimento obtido pelo MidiaNews.
 
Ainda segundo Gerson, os áudios dos grampos não chegaram a ser enviados pela web para nenhum dos secretários. São acusados de participar do esquema os ex-secretários chefe da Casa Civil, Paulo Taques, de Segurança Pública, Rogers Jarbas e de Justiça e Direitos Humanos, Airton Siqueira. Além deles, foram presos os coronéis Evandro Lesco e Zaqueu Barbosa, ex-secretário da Casa Militar e o ex-comandante da PM, respectivamente.
 
“O que foi feito foi o direcionamento para dois canais [Wytron e Sentinela usados para realização de escutas], mas não direcionado para outras pessoas. Na verdade, a gente direcionava para dois canais porque o sistema Wytron estava tendo falha, então colocava no Wytron e Sentinela. Alguns dos alvos eu fiz muito isso, por isso deve aparecer ofícios para as operadoras com os dois canais para o mesmo alvo”, disse.
 
Gerson garantiu ainda que, depois do Gaeco, o esquema passou a ser operado de uma sala comercial, localizada na Rua Desembargador Ferreira Mendes, nº 235, na região central de Cuiabá. Lá ele obteve ajuda de outros quatros militares.
 
O caso só veio à tona após a denúncia do ex-secretário de segurança, Mauro Zaque, e atualmente está sob a responsabilidade do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Mauro Marques, uma vez que é apurada a participação do governador Pedro Taques no esquema.
 
Outras matérias
13/12/17 15:56 'Não quero ser candidato se for culpado', diz Lula
13/12/17 15:52 Após reclamação, prefeito apresenta substitutivo da LOA
13/12/17 15:42 Naco investiga Mauro Savi por suposta corrupção no Detran
13/12/17 15:36 Congresso proíbe autofinanciamento de campanha
13/12/17 14:23 Ararath ainda tem 45 inquéritos em andamento
13/12/17 13:00 Riva depõe após Eder afirmar que ele teve participação nas cartas de crédito
12/12/17 21:13 Vereadores de Cuiabá concedem 13º salário para si mesmos
12/12/17 20:23 Deputados aprovam orçamento de R$ 20,3 bilhões para o Estado
12/12/17 19:06 TCE dá 15 dias para Emanuel explicar falta de pagamento à empresa
12/12/17 17:00 Comissão no Senado aprova liberação de quase R$ 500 mi do FEX para MT
12/12/17 15:15 Recriação da SEC 300 é aprovada na Câmara
12/12/17 12:00 Vereador quer cancelar interrogatório de prefeito na CPI do Paletó
11/12/17 18:14 Ex-gestores da Câmara são condenados a devolver valores pago a mais a servidores
11/12/17 17:36 Ação que apurava difamação e ameaça contra juíza é extinta
11/12/17 17:21 Ex-presidente do Detran e empresa terão que devolver R$ 109 mil
11/12/17 13:29 STF deixa Siqueira 'ficar' com a esposa delegada
11/12/17 12:56 Eder Moraes diz que falta gestão e competência ao governo Taques
11/12/17 11:00 Emanuel pede que Fux reconsidere decisão
11/12/17 10:54 Taques confirma pagamento de salários nesta segunda-feira
11/12/17 10:00 Mauro Mendes admite disputar eleições ao governo
Cadastre seu e-mail:
BR Informe é um portal independente de notícias.
Expediente | Seja um Colaborador | Fale Conosco