Terça-Feira, dia 25 de Fevereiro de 2020
Últimas Notícias
Política
Brasil
Economia
Cidades
Internacional
Esporte
Judiciário
Polícia
 
Galeria de Fotos
Galeria de Vídeos
Agenda de Eventos
Canal do Internauta
Artigos
 
Envie sua Matéria
Fale Conosco
 

 

últimas notícias

Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
Educação é alicerce no combate à violência doméstica
07/08/19 - 17:05 
Por: Redação

No Estado, 21 mulheres morreram no período de janeiro a junho deste ano, vítimas de feminicídio

 Mais de 10 mil mulheres foram ameaçadas em Mato Grosso, nos primeiros seis meses deste ano. Os dados são compilados pela Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (Ceac) da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), com base em registros de ocorrências da Polícia Judiciária Civil. Contudo, a ameaça é só um dos crimes praticados contra vítimas femininas. No Estado, 21 mulheres morreram no período de janeiro a junho deste ano, vítimas de feminicídio.

A defensora e coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher da Defensoria Pública de Mato Grosso, Rosana Leite, argumenta que a violência contra a mulher não aumentou com a criação da implantação da Lei Maria da Penha, que completa 13 anos de vigência no país nesta quarta-feira (07.08).
“A violência contra vítimas femininas sempre existiu, mas anteriormente, o poder público não quantificava os números. Com a criação da Lei, nós somos obrigados a identificar estas vítimas. Acredito que não houve aumento da violência, eu acho que a violência ainda é a mesma. Hoje o que ocorre é que as mulheres sabem dos seus direitos e denunciam mais. Contudo, ainda temos que trabalhar para a redução”, enfatiza.
O feminicídio é o homicídio praticado contra a vítima feminina pela condição dela como mulher (misoginia e menosprezo pela condição feminina ou discriminação de gênero) ou em decorrência de violência doméstica. A lei 13.104/15, mais conhecida como Lei do Feminicídio, alterou o Código Penal brasileiro e incluiu o feminicídio como qualificador do crime de homicídio, o que amplia a pena para esse tipo de crime, que vai de 12 a 30 anos de reclusão.
A defensora explica que antes da Lei Maria da Penha, o entendimento da maioria é que o ambiente doméstico era um local inviolável. Mas, quando a lei em defesa da mulher entrou em vigor, este cenário mudou. “Se o crime acontece dentro da casa, o poder público tem que entrar sim. Temos que defender essa vítima e aplicar as leis ao agressor”, justifica.
Outros números da violência apontam que no primeiro semestre deste ano, 4.927 mulheres foram vítimas de lesão corporal e dos crimes de injúria (2.861), calúnia (913), constrangimento ilegal (380), estupro (181), assédio sexual (112) e tentativa de homicídio (140), dentre outros.
Educação é fortalecimento
A defensora avalia que somente a educação pode reduzir os índices de violência contra as mulheres, com informações e debates no ambiente doméstico e nas escolas. São considerados tipos de violência não apenas aquela praticada fisicamente, mas também a psicológica, moral, patrimonial e sexual.
“Eu acho que nós precisamos trabalhar primeiro a cultura. Nós precisamos trabalhar em que contexto nós fomos construídos, fomos educados e educadas. É necessário demonstrar que os direitos das mulheres evoluíram para que a igualdade fosse visualizada, para que a igualdade fosse sentida, então é isso que nós temos que trabalhar, quebrar paradigmas”, pondera.
Rosana lembra que a violência contra mulher deve ser debatida nas escolas, assim com a segurança no trânsito entrou nos debates escolares.
“As escolas precisam debater o assunto, pois é a extensão educacional da criança. Hoje em muitas escolas há palestras e informações sobre o trânsito, por exemplo. E tudo que essa criança aprende, ela repassa. Então essa seria uma forma de estarmos formando cidadãos com outra concepção e só assim, a violência seria efetivamente diminuída”, enfatiza.
 
 
Outras matérias
09/08/19 07:09 Crise não é desculpa para negligenciar a gestão, cita Mauro
08/08/19 19:35 Bustamante não sabe se acordo com MPE foi concretizado
08/08/19 17:34 Governo repassa mais de R$ 9 milhões para saúde nos municípios
08/08/19 17:00 MP adquiriu mais uma placa de escuta, mesmo após implantar o Sistema Guardião
08/08/19 16:28 Juiz de MT prevê 'prisão em massa' de membros do MPE
07/08/19 20:15 Chefe do MPE se reúne com empresa para definir auditoria no Sistema Guardião
07/08/19 20:02 Fazendas de narcotraficante vão a leilão com desconto de R$ 2 milhões
07/08/19 19:24 Ministério Público abre novo inquérito contra delegadas e Paulo Taques
07/08/19 18:35 Sinfra fará licitação emergencial para reparar balsa do Rio Xingu
07/08/19 18:56 STF suspende transferência de Lula para presídio de Tremembé
07/08/19 18:19 Caminhoneiro é preso transportando madeira de Pequi em Rondolândia
07/08/19 18:00 Pedro Taques afirma que está 'louco para falar' na grampolândia
07/08/19 17:43 Justiça autoriza Janaina Riva para atuar como assistente em processo da 'Grampolândia Pantaneira'
07/08/19 17:20 Juíza nega recurso e mantém decisão condenação de Bosaipo
07/08/19 15:36 Lei já salvou muitas vidas, enfatiza desembargadora Maria Erotides
01/08/19 20:05 Fux proíbe destruição de mensagens hackeadas e pede cópia do inquérito
01/08/19 19:33 STF derrota Bolsonaro e mantém demarcação indígena na Funai
01/08/19 14:05 No dia 10, Governo paga ponto cortado dos servidores que retornaram da greve
01/08/19 13:39 Emanuel revela apoio de Botelho e diz que DEM está 'rachado'
01/08/19 13:06 Veto de 'termos de acordo' anula privilégios a 43 empresas
Cadastre seu e-mail:
BR Informe é um portal independente de notícias.
Expediente | Seja um Colaborador | Fale Conosco