Quarta-Feira, dia 21 de Novembro de 2018
Últimas Notícias
Política
Brasil
Economia
Cidades
Internacional
Esporte
Judiciário
Polícia
 
Galeria de Fotos
Galeria de Vídeos
Agenda de Eventos
Canal do Internauta
Artigos
 
Envie sua Matéria
Fale Conosco
 

 

política

Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
Delegada suspeita de venda de conversas grampeadas
20/10/17 - 16:28 
Por: Celly Silva- Gazeta Digital

 Após ter deixado as investigações do esquema de interceptação telefônica clandestina no âmbito do Estado, por determinação do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Mauro Campbell, que assumiu os seis inquéritos relativos ao caso, a delegada Ana Cristina Feldner chegou perto, mas não conseguiu alcançar todas as respostas para os questionamentos que se faziam para desvendar toda a trama criminosa de espionagem.

 
“As investigações iriam prosseguir pra gente identificar realmente todo o contexto. Nós não estamos falando da investigação até porque nós não temos essa resposta ainda, mas vamos falar de forma hipotética. Esse é um dos pontos a serem ainda esclarecidos pela investigação: qual a motivação de se ouvir pessoas? Será que essas pessoas estariam ligadas de alguma forma a alguma crítica ao governo? Será que foram vendidas essas interceptações? Será que havia uma movimentação financeira por trás disso também? Será que de alguma forma ela estava litigando em algum escritório que pertencesse à organização criminosa? Então, são pontos que a investigação prosseguindo, ela deve responder a essas perguntas”, disse em entrevista ao programa Cadeia Neles.
 
Acerca da suspeita de comercialização das informações privilegiadas obtidas através de escutas realizadas na modalidade “barriga de aluguel”, por meio de fraudes em ações judiciais, o advogado Thiago Abreu, que faz a defesa do cabo da Polícia Militar Gerson Luiz Ferreira Corrêa Júnior, que já confessou ter sido o operador do esquema, disse ao Gazeta Digital que o acusado não fez esse tipo de coisa. “Ele não vendia informação, não ganhou dinheiro com isso. O único valor que existia na conta dele além dos salários, era um valor de R$ 30 mil, que era parte dos R$ 50 mil que o Paulo [Taques] entregou”, afirmou.
 
Segundo o advogado, o dinheiro foi repassado a Gerson pelo coronel da Polícia Militar Evandro Lesco, ex-chefe da Casa Militar, e posteriormente entregue ao empresário Marilson da Silva, que foi quem forneceu os sistemas Wyrton e Sentinela utilizados para efetuar os grampos, o que foi relatado aos delegados Ana Cristina Feldner e Flávio Stringuetta. “Ele teve que justificar: recebi do Lesco e passei pro Marilson”, disse.
 
Motivações políticas
 
Apesar das perguntas não respondidas, a delegada afirma que já tem em mente quais eram os interesses e de quem eram esses interesses na chamada “grampolândia pantaneira”, o que aponta para a participação do governador do Estado Pedro Taques (PSDB), uma vez que o esquema criminoso começou durante as eleições de 2014, quando ele se elegeu e quando seus adversários foram alvos das espionagens.
 
“O que já foi revelado foi o cunho político. São interceptações que iniciaram próximo a um pleito eleitoral de um governador do Estado. Inicialmente, interesse político, isso já é declarado. Até então, do primeiro, segundo e terceiro colocados dos candidatos, o segundo e o terceiro foram interceptadas pessoas ligadas à parte estratégica da campanha, menos do primeiro lugar dentre os candidatos, o que já demonstra todo esse cunho político e de onde partiu”, afirmou Ana Cristina Feldner.
 
Conforme a delegada, a participação de policiais militares também ficou esclarecida na investigação e, isso teria colaborado para beneficiar o grupo criminoso na eleição de 2014. “É um absurdo! São policiais da alta cúpula, excelentes profissionais, que fique esclarecido, que deveriam estar no combate realmente da criminalidade, que nesse momento estão em total desvio de conduta, total desvio de função, interceptando, obtendo informações privilegiadas de cenário político, sendo capazes sim de interferir em pleito eleitoral e mais: chegando até às interceptações particulares”, afirmou.
 
Com a suspeita de que os grampos tivessem sido utilizados para sabotar o resultado da eleição de 2014, em maio, quando surgiu o escândalo apresentado em rede nacional pelo programa Fantástico, o advogado José Patrocínio, que foi coordenador jurídico de Lúdio Cabral (PT) naquele pleito e uma das vítimas da espionagem ilegal, afirmou que era de interessa da chapa para a qual atuou entrar com uma ação na Justiça eleitoral pedindo a cassação do registro de candidatura de Pedro Taques, mas isso acabou não acontecendo.
 
Grampos em 2016
 
Além da suposta sabotagem na eleição de 2014, o mesmo esquema teria sido utilizado pela organização criminosa para fraudar também as eleições municipais do ano passado, na cidade de Lucas do Rio Verde, episódio em que a suspeita de venda informações privilegiadas surge novamente.
 
Segundo depoimento prestado pelo coronel PM Airton Siqueira, ex-chefe da Casa Militar e ex-secretário de Justiça e Direitos Humanos, Otaviano Pivetta, ex-prefeito de Lucas do Rio Verde (354 Km ao Norte de Cuiabá) teria sido mais uma das vítimas dos grampos. O serviço de arapongagem teria sido contratado por Rogério Ferrarin, coordenador da campanha do prefeito eleito em 2016, Luiz Binotti, pelo valor de R$ 20 mil.  
 
Outras matérias
20/02/18 10:20 Blairo Maggi deve recuar de disputa no Senado e deixar a política
20/02/18 09:00 Ciro Gomes diz que não buscará apoio de Lula para eleição
19/02/18 20:18 Taques diz que Botelho é amigo e merece defesa após operação Bereré
19/02/18 09:39 Gaeco deflagra operação contra fraudes no Detran; deputados são alvos
15/02/18 11:00 Valtenir e Medeiros disputam coordenação da bancada federal de MT
15/02/18 08:08 Possível candidatura de Temer à reeleição atrapalha planos de Meirelles
14/02/18 15:30 Valtenir prepara ação de cobrança contra dissidentes do PSB
12/02/18 17:00 Mauro Mendes diz que decidirá até maio se será candidato ao governo
12/02/18 09:23 Criação do bloco independente será oficializada na Assembleia
12/02/18 09:00 Acúmulo ilegal de cargos públicos pode gerar demissão de servidor
11/02/18 13:25 Emanuel diz que reforma administrativa só em março
11/02/18 13:12 Viana cita irregularidades gravíssimas e vota para reprovar contas de Taques
11/02/18 12:00 Vice diz que viveu dias de turbulência após vídeo de Emanuel
11/02/18 10:05 Prefeitos 'terceirizam' gastos com Carnaval
11/02/18 09:40 Governo busca apoio da base para criar Fundo de Estabilização Fiscal
08/01/18 10:10 Emanuel Pinheiro é cobrado pelo PMDB a discutir as eleições deste ano
08/01/18 08:49 'Quero ser reeleito', diz Wilson Santos ao negar articulação para o TCE
07/01/18 12:00 Prefeito decide aguardar licitação do VLT, mas ainda fala em plantar palmeiras
06/01/18 11:00 Acusações complicam a recandidatura do governador de MT
06/01/18 13:12 PP quer chapa pura para deputados estaduais em MT
Cadastre seu e-mail:
BR Informe é um portal independente de notícias.
Expediente | Seja um Colaborador | Fale Conosco