Terça-Feira, dia 20 de Fevereiro de 2018
Últimas Notícias
Política
Brasil
Economia
Cidades
Internacional
Esporte
Judiciário
Polícia
 
Galeria de Fotos
Galeria de Vídeos
Agenda de Eventos
Canal do Internauta
Artigos
 
Envie sua Matéria
Fale Conosco
 

 

política

Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
Prefeito contesta ONG que denunciou R$ 700 mi de contratos sem licitação
21/10/17 - 10:21 
Por: Janaiara Soares- Gazeta Digital

 

 O prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB) disse que o levantamento apresentando na Câmara de Cuiabá afirmando que a sua gestão fez  R$ 700 milhões em contratos sem licitação não é verdadeiro. Ele considera o “alerta” feito pela organização não governamental Observatório Social como um meio de desestabilizar sua gestão.

 
“É desespero para tentar atacar uma gestão que preza pela responsabilidade fiscal, equilíbrio fiscal, paga salários rigorosamente no último dia útil do mês, paga contas em dia, preza o bem estar da população. É uma gestão equilibrada, modesta, proba. O portal da transparência tem tudo, não temos nada a esconder. Os contratos estão todos dentro da lei. Os modelos de licitação estão sendo respeitados. É uma denúncia infundada e vazia para tentar desestabilizar uma gestão que tem rumo”, disse o peemedebista.
 
A secretária de Gestão do Município, Ozenira Félix, ressaltou que os números não batem com os contratos da prefeitura. De acordo com a auditora aposentada do Tribunal de Contas da União (TCE), Elda Valim, que é voluntária na Ong, existe um levantamento que mostra que mais de R$ 700 milhões foram contratados nessa gestão, e só cerca de 10% foi licitado. “Temos mais de 200 contratos por adesão e apenas 10 licitações”, denunciou ela ao alertar os veradores para fiscalizarem a situação.
 
Ozenira nega e ressalta que os contratos feitos sem o processo licitatório foiram necessários no início da gestão. “Os números não são aqueles, hoje já fizemos na prefeitura de Cuiabá mais de R$ 1,3 bilhão em licitações. Deste total, apenas R$ 117 milhões foram por contratos de adesão. Quando o prefeito assumiu nós tínhamos vários contratos que estavam em vencimento e precisavam ser refeitos. Inicio de gestão tem os gargalos. Não foi aquele volume apresentado”.
 
Outras matérias
19/02/18 09:39 Gaeco deflagra operação contra fraudes no Detran; deputados são alvos
15/02/18 11:00 Valtenir e Medeiros disputam coordenação da bancada federal de MT
15/02/18 08:08 Possível candidatura de Temer à reeleição atrapalha planos de Meirelles
14/02/18 15:30 Valtenir prepara ação de cobrança contra dissidentes do PSB
12/02/18 17:00 Mauro Mendes diz que decidirá até maio se será candidato ao governo
12/02/18 09:23 Criação do bloco independente será oficializada na Assembleia
12/02/18 09:00 Acúmulo ilegal de cargos públicos pode gerar demissão de servidor
11/02/18 13:25 Emanuel diz que reforma administrativa só em março
11/02/18 13:12 Viana cita irregularidades gravíssimas e vota para reprovar contas de Taques
11/02/18 12:00 Vice diz que viveu dias de turbulência após vídeo de Emanuel
11/02/18 10:05 Prefeitos 'terceirizam' gastos com Carnaval
11/02/18 09:40 Governo busca apoio da base para criar Fundo de Estabilização Fiscal
08/01/18 10:10 Emanuel Pinheiro é cobrado pelo PMDB a discutir as eleições deste ano
08/01/18 08:49 'Quero ser reeleito', diz Wilson Santos ao negar articulação para o TCE
07/01/18 12:00 Prefeito decide aguardar licitação do VLT, mas ainda fala em plantar palmeiras
06/01/18 11:00 Acusações complicam a recandidatura do governador de MT
06/01/18 13:12 PP quer chapa pura para deputados estaduais em MT
06/01/18 10:49 Defensores públicos vão ao STF cobrar duodécimos atrasados do Estado
06/01/18 10:13 AMM pede investigação sobre uso de recursos do Fundeb
05/01/18 15:24 Russi diz que demais Poderes ficam com quase 25% do FEX
Cadastre seu e-mail:
BR Informe é um portal independente de notícias.
Expediente | Seja um Colaborador | Fale Conosco