Terça-Feira, dia 23 de Outubro de 2018
Últimas Notícias
Política
Brasil
Economia
Cidades
Internacional
Esporte
Judiciário
Polícia
 
Galeria de Fotos
Galeria de Vídeos
Agenda de Eventos
Canal do Internauta
Artigos
 
Envie sua Matéria
Fale Conosco
 

 

política

Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
Prefeito contesta ONG que denunciou R$ 700 mi de contratos sem licitação
21/10/17 - 10:21 
Por: Janaiara Soares- Gazeta Digital

 

 O prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB) disse que o levantamento apresentando na Câmara de Cuiabá afirmando que a sua gestão fez  R$ 700 milhões em contratos sem licitação não é verdadeiro. Ele considera o “alerta” feito pela organização não governamental Observatório Social como um meio de desestabilizar sua gestão.

 
“É desespero para tentar atacar uma gestão que preza pela responsabilidade fiscal, equilíbrio fiscal, paga salários rigorosamente no último dia útil do mês, paga contas em dia, preza o bem estar da população. É uma gestão equilibrada, modesta, proba. O portal da transparência tem tudo, não temos nada a esconder. Os contratos estão todos dentro da lei. Os modelos de licitação estão sendo respeitados. É uma denúncia infundada e vazia para tentar desestabilizar uma gestão que tem rumo”, disse o peemedebista.
 
A secretária de Gestão do Município, Ozenira Félix, ressaltou que os números não batem com os contratos da prefeitura. De acordo com a auditora aposentada do Tribunal de Contas da União (TCE), Elda Valim, que é voluntária na Ong, existe um levantamento que mostra que mais de R$ 700 milhões foram contratados nessa gestão, e só cerca de 10% foi licitado. “Temos mais de 200 contratos por adesão e apenas 10 licitações”, denunciou ela ao alertar os veradores para fiscalizarem a situação.
 
Ozenira nega e ressalta que os contratos feitos sem o processo licitatório foiram necessários no início da gestão. “Os números não são aqueles, hoje já fizemos na prefeitura de Cuiabá mais de R$ 1,3 bilhão em licitações. Deste total, apenas R$ 117 milhões foram por contratos de adesão. Quando o prefeito assumiu nós tínhamos vários contratos que estavam em vencimento e precisavam ser refeitos. Inicio de gestão tem os gargalos. Não foi aquele volume apresentado”.
 
Outras matérias
06/01/18 10:49 Defensores públicos vão ao STF cobrar duodécimos atrasados do Estado
06/01/18 10:13 AMM pede investigação sobre uso de recursos do Fundeb
05/01/18 15:24 Russi diz que demais Poderes ficam com quase 25% do FEX
02/01/18 09:15 Percival nega ter convidado Taques para se filiar ao PPS
02/01/18 08:00 Presidente da Câmara de Cuiabá descarta crise financeira
02/01/18 07:00 Presidente da AMM acredita em recuperação
31/12/17 15:12 PSDB cobra mais espaço no governo de Taques
31/12/17 14:54 Camargo Corrêa devolverá R$ 80 milhões ao Estado
29/12/17 17:12 AMM critica não liberação do Auxílio Financeiro aos Municípios
29/12/17 11:23 Governo usa dinheiro do FEX para pagar fundos e fechar ano dentro da LRF
13/12/17 15:56 'Não quero ser candidato se for culpado', diz Lula
13/12/17 15:52 Após reclamação, prefeito apresenta substitutivo da LOA
13/12/17 13:00 Riva depõe após Eder afirmar que ele teve participação nas cartas de crédito
12/12/17 21:13 Vereadores de Cuiabá concedem 13º salário para si mesmos
12/12/17 20:23 Deputados aprovam orçamento de R$ 20,3 bilhões para o Estado
12/12/17 19:06 TCE dá 15 dias para Emanuel explicar falta de pagamento à empresa
12/12/17 17:00 Comissão no Senado aprova liberação de quase R$ 500 mi do FEX para MT
12/12/17 15:15 Recriação da SEC 300 é aprovada na Câmara
12/12/17 12:00 Vereador quer cancelar interrogatório de prefeito na CPI do Paletó
11/12/17 12:56 Eder Moraes diz que falta gestão e competência ao governo Taques
Cadastre seu e-mail:
BR Informe é um portal independente de notícias.
Expediente | Seja um Colaborador | Fale Conosco