Quinta-Feira, dia 19 de Abril de 2018
Últimas Notícias
Política
Brasil
Economia
Cidades
Internacional
Esporte
Judiciário
Polícia
 
Galeria de Fotos
Galeria de Vídeos
Agenda de Eventos
Canal do Internauta
Artigos
 
Envie sua Matéria
Fale Conosco
 

 

judiciário

Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
Ministro do STF prorroga prazo de inquérito contra Blairo Maggi
14/02/18 - 16:00 
 

 O ministro Edson Fachin do Supremo Tribunal Federal (STF) deferiu pedido da Polícia Federal, autorizando a prorrogação do prazo para conclusão do inquérito que apura suposto recebimento de propina de R$ 12 milhões do ministro da Agricultura Blairo Maggi (PP), na época em que era governador de Mato Grosso, por parte da Odebrecht. O pedido foi feito pela PF no final de janeiro e concedido pelo ministro na última sexta-feira (9).

 
A investigação contra Blairo Maggi surgiu em abril do ano passado, após os ex-executivos da construtora Norberto Odebrecht João Antônio Pacífico Ferreira e Pedro Augusto Carneiro Leão Neto firmarem acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF), no âmbito da operação Lava Jato. Além de Blairo, também é alvo do mesmo inquérito o deputado federal e ex-governador de Mato Grosso do Sul José Orcírio Miranda dos Santos (PT), o Zeca do PT.
 
Segundo os colaboradores, o pagamento de propina ocorreu no contexto das campanhas de reeleição de Blairo Maggi e José Orcírio ao cargo de governador de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, respectivamente, no ano de 2006. Eles relataram ter feito os repasses de dinheiro indevido por meio do Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht. Na lista de propina, Blairo Maggi era identificado como “Caldo”.
 
João Pacífico e Pedro Leão contaram ainda que a Odebrecht detinha créditos a receber do Estado, decorrentes de obras da rodovia MT-010 realizadas anteriormente, os quais, embora reconhecidos administrativa ou judicialmente, não eram pagos. Após negociação dos executivos com o governo, foi criada uma comissão especial com o objetivo de obter repasses da União para fazer frente a esses créditos.
 
Os delatores citaram ainda o ex-secretário de Estado da Casa Civil Eder Moraes como o responsável por ter se apresentado, em nome do governo, solicitando pagamento de propina em troca dos créditos negociados. Conforme os delatores, Eder usou o pretexto de contribuição eleitoral para a campanha de reeleição de Blairo Maggi ao governo do Estado.
 
Na época em que surgiu a denúncia, tanto Blairo quanto Eder negaram as acusações. O ministro alegou sua inocência, dizendo que nunca recebeu doação de campanha da Odebrecht ou que tenha autorizado alguém para que fizesse tal solicitação. Ele entregou às autoridades documentos relativos aos pagamentos feitos pelo Estado à construtora e aguarda a conclusão das apurações.
 
Já Eder Moraes se disse surpreso, negando ter tido contato com os executivos delatores e ainda participação na campanha de reeleição de Blairo Maggi.  
 
Outras matérias
20/02/18 09:50 Savi e Botelho são apontados como líderes de organização criminosa por delator
13/02/18 11:30 Empresa de telefonia é condenada em R$ 8 mil por quebrar sigilo de cliente
12/02/18 16:28 TCE manda e prefeito revoga licitação de R$ 5 milhões para contratar estagiários
12/02/18 11:59 Juíza condena Prefeitura a manter farmácias das policlínicas abertas
12/02/18 11:35 Empresa de segurança é condenada a pagar R$ 100 mil por atrasar salários
10/02/18 11:00 Após acusação de propina, conselheiro afastado quer ser investigado pelo STJ
06/01/18 12:00 18 prisões preventivas contra João Arcanjo impedem regime semiaberto
31/12/17 TJ rejeita pedido de R$ 12 milhões a hospitais
29/12/17 14:12 MPE denuncia casal e 2 pistoleiros por morte do prefeito de Colniza
29/12/17 11:00 Ministro do STJ revoga prisão de cabo Gerson Corrêa
28/12/17 Arcanjo paga fiança de R$ 80 mil e se livra de uma prisão
13/12/17 15:42 Naco investiga Mauro Savi por suposta corrupção no Detran
13/12/17 14:23 Ararath ainda tem 45 inquéritos em andamento
11/12/17 18:14 Ex-gestores da Câmara são condenados a devolver valores pago a mais a servidores
11/12/17 17:36 Ação que apurava difamação e ameaça contra juíza é extinta
11/12/17 17:21 Ex-presidente do Detran e empresa terão que devolver R$ 109 mil
11/12/17 13:29 STF deixa Siqueira 'ficar' com a esposa delegada
11/12/17 11:00 Emanuel pede que Fux reconsidere decisão
23/10/17 11:06 Juiz invalida ato de Comissão e reconduz prefeito de Acorizal ao cargo
23/10/17 10:55 Justiça acata pedido do MPE e bloqueia bens de prefeito e secretária
Cadastre seu e-mail:
BR Informe é um portal independente de notícias.
Expediente | Seja um Colaborador | Fale Conosco