Terça-Feira, dia 23 de Julho de 2019
Últimas Notícias
Política
Brasil
Economia
Cidades
Internacional
Esporte
Judiciário
Polícia
 
Galeria de Fotos
Galeria de Vídeos
Agenda de Eventos
Canal do Internauta
Artigos
 
Envie sua Matéria
Fale Conosco
 

 

política

Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
Bolsonaro cancela viagem a NY para evento em que seria homenageado
04/05/19 - 07:00 
Por: Redação

Após pressão de ativistas e deputados norte-americanos, o evento acabou perdendo patrocinadores e ficou em meio à polêmicas

 Pressionado por políticos americanos e ativistas ligados à causa LGBT e ao meio ambiente, o presidente Jair Bolsonaro cancelou nesta sexta (3) sua viagem a Nova York, onde seria homenageado no dia 14 de maio com o prêmio de Pessoa do Ano, em jantar promovido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos.

 
Em nota, o gabinete do porta-voz da Presidência da República admitiu que as manifestações públicas contrárias a Bolsonaro nas últimas semanas foram decisivas para que o presidente desistisse. "Em face da resistência e dos ataques deliberados do prefeito de Nova York [Bill de Blasio] e da pressão de grupos de interesses sobre as instituições que organizam, patrocinam e acolhem em suas instalações o evento anualmente, ficou caracterizada a ideologização da atividade."
 
Em abril, o prefeito de Nova York, o democrata Bill de Blasio, disse que Bolsonaro não era bem-vindo à cidade e chamou o presidente de racista, homofóbico e destrutivo. Em razão disso, prossegue a nota, "e consultados vários setores do governo, o presidente Bolsonaro decidiu pelo cancelamento da ida a essa cerimônia e da agenda prevista para Miami".
 
Desde que, no mês passado, o Museu de História Natural de Nova York se recusou a receber o evento, uma série de manifestações pressionavam os patrocinadores a não vincular seu dinheiro -nem suas marcas- ao jantar de gala que, além do presidente brasileiro, homenagearia o secretário de Estado americano, Mike Pompeo.
 
O objetivo dos protestos era que o evento fosse cancelado. A câmara não respondeu se a celebração ainda acontecerá sem Bolsonaro. O jantar se tornou objeto de controvérsia e criou embaraços da entidade com empresas e a elite nova-iorquina.
 
Depois que o museu se recusou a sediar o evento, alegando não ter sido comunicado de que o homenageado seria Bolsonaro, o hotel New York Marriott Maquis aceitou receber o jantar e passou a ser alvo de manifestações de ativistas e políticos americanos.
 
O senador estadual democrata Brad Hoylman, representante da comunidade gay, enviou carta ao hotel pedindo que não recebesse o presidente. Segundo Hoyman, Bolsonaro é "homofóbico perigoso e violento, que não merece uma plataforma pública de reconhecimento em nossa cidade". O Marriott tem histórico de apoio à causa LGBT.
 
Depois que o martelo sobre o local do evento foi batido, a pressão começou a atingir o apoio financeiro ao evento –um grupo de doze ativistas fazia desde terça (30) manifestações diárias contra os patrocinadores, pedindo que o evento fosse cancelado.
 
A companhia aérea Delta, a consultoria Bain & Company e o jornal Financial Times, que patrocinavam a festa, retiraram o apoio no início da semana. Ao explicar a decisão, a Bain disse à CNN que "celebrar a diversidade é um princípio essencial" da empresa.
 
Incomodou particularmente integrantes do Planalto a repercussão negativa sobre a ajuda do Banco do Brasil e do consulado-geral do país em Nova York para financiar o evento, como revelou a Folha de S.Paulo nesta sexta.
 
O banco aceitou pagar US$ 12 mil (R$ 47,5 mil) para ter uma mesa com dez lugares no jantar de gala. Bolsonaro foi então aconselhado a não participar da homenagem, visto que o clima estava cada vez mais acirrado. Um das versões que auxiliares vão circular nos bastidores, numa tentativa de minimizar o desgaste da imagem do presidente, é que a viagem poderia ser considerada um combustível à disputa entre democratas e republicanos nas eleições de 2020. O Planalto nega, porém, que o cancelamento tenha relação com o envolvimento dos EUA na crise na Venezuela.
 
Depois de passar por Nova York, Bolsonaro iria na quarta (15) a Miami, na Flórida, estado crucial na disputa presidencial americana e um dos principais panos de fundo da atuação de Donald Trump diante da crise venezuelana.
 
Venezuelanos, cubanos e nicaraguenses conservadores que vivem na Flórida são contrários ao regime de Nicolás Maduro e apoiam a ofensiva da Casa Branca ao ditador. Bolsonaro iria justamente encontrar o senador Marco Rubio, um dos principais expoentes anti-Venezuela do Congresso americano.Aliados de Bolsonaro nos EUA foram pegos de surpresa e ficaram irritados com a desistência. Eles haviam organizado diversos compromissos para o presidente, inclusive reuniões com empresários e investidores.Entre os que permaneciam no hall de patrocinadores do evento estavam instituições financeiras como Merrill Lynch, Credit Suisse, Morgan Stanley, Citigroup, Itaú, Bradesco e HSBC.A homenagem Pessoa do Ano é concedida há 49 anos a dois líderes, um brasileiro e um americano, reconhecidos pela atuação em aproximar e melhorar as relações entre os dois países no ano anterior. Em 2018, foram laureados Sergio Moro, atual ministro da Justiça, e Michael Bloomberg, empresário e ex-prefeito de Nova York.
 
 
Outras matérias
11/07/19 11:32 Deputada diz reforma da Previdência não resolve problema fiscal do Brasil
10/07/19 18:11 Indicação de Selma para Conselho de Ética é questionada
10/07/19 10:23 Assembleia derruba veto e FEX volta ao cálculo para concessão da RGA
09/07/19 RGA não se discute, se paga, diz Emanuel ao confirmar revisão para os servidores
09/07/19 11:05 Presidente da Unimed afirma que projeto que reinstitui incentivos fiscais 'dá alento para o setor"
08/07/19 20:15 Negociações avançam entre Governo e Sintep para o encerramento da greve
07/07/19 11:38 Wellington e Bezerra lideram ranking de emendas pagas pelo governo
06/07/19 13:56 Mauro e Wilson elevam tom de enfrentamentos políticos
05/07/19 09:08 Fávaro suspeita de morosidade no processo de Selma no TRE
04/07/19 20:05 Bancada do MDB é a favor de projeto de incentivos fiscais
04/07/19 18:34 Mauro rebate opositores e prevê R$ 500 milhões de receita
04/07/19 15:40 PGE pede para Eder e Pedro Nadaf sairem do quadro de acionistas de empresa pública
03/07/19 11:45 Deputado, irmãos e mãe passam a ser investigados na Operação Polygonum
02/07/19 11:06 Entidades pressionam AL e discordam de projeto de Mauro
02/07/19 18:20 Governo aponta desvios e propina para alterar concessão de incentivos fiscais
02/07/19 16:45 Casa Civil de governo se coloca aberta ao diálogo
02/07/19 16:23 Em nota, governo conclama a volta dos professores à sala de aula
02/07/19 15:22 Emanuel insiste para ser ouvido sobre a questão do VLT
02/07/19 14:59 Presidente da OAB-MT defende revisão de incentivos fiscais
02/07/19 14:36 Mendes diz que presidente da Fiemt ajudou a 'quebrar' MT
Cadastre seu e-mail:
BR Informe é um portal independente de notícias.
Expediente | Seja um Colaborador | Fale Conosco