Segunda-Feira, dia 18 de Dezembro de 2017
Últimas Notícias
Política
Brasil
Economia
Cidades
Internacional
Esporte
Judiciário
Polícia
 
Galeria de Fotos
Galeria de Vídeos
Agenda de Eventos
Canal do Internauta
Artigos
 
Envie sua Matéria
Fale Conosco
 

 

artigos

Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
Rondon e o reconhecimento mundial
04/02/12 - 11:30 
Por: José Lacerda

 
A repercussão também se deu com suas obras indigenistas e seu trabalho como primeiro diretor do Serviço de Proteção ao Índio (SPI)

Ao retomar os fatos históricos sobre a demarcação da divisa entre Mato Grosso e Pará, faixa que se encontra em litígio e processo jurídico para a revisão de 22 mil km² delimitado de forma equivocada, surge na memória a figura de Rondon. 

Dedicando a maior parte de sua vida para a elaboração das primeiras cartas geográficas brasileiras, Mal. Cândido Rondon percorreu cerca de 500 mil km², entre os sertões, cerrados, pantanal, florestas e fronteiras do Brasil. 

Conhecido como patrono das Comunicações no Brasil, indigenista e pacificador, o Mal. Rondon, mato-grossense de Mimoso, viveu quase um século (de 1865 a 1958), a maioria em missões de desbravamento e de pesquisas científicas. 

O que a maioria dos brasileiros talvez não saiba, bem como a nova geração, é sobre o reconhecimento internacional e a repercussão da obra científica de Rondon. 

Cândido Rondon estudou no Liceu Cuiabano e aos sete anos foi para o Rio de Janeiro, em 1874, onde entrou na Escola Militar, formando-se em Matemática e em Ciências Físicas Naturais.

Trabalhou no Laboratório Astronômico até ser destacado, em 1889, para a implantação das linhas telegráficas em Mato Grosso, Goiás e Amazonas. 

Durante suas missões pelo Exército Brasileiro para a implantação de linhas telegráficas, também coordenou missões científicas, revelando aos brasileiros e ao mundo estudos sobre a botânica, geografia, antropologia, cartografia, zoologia e riquezas minerais. 

A expedição científica Roosevelt-Rondon, entre 1913 e 1914, consolidou o nome de Rondon junto à comunidade científica estrangeira. Ex-presidente dos Estados Unidos, na época, Theodore Roosevelt, então membro da Sociedade Geográfica Americana, concedeu o Prêmio Livingstone a Rondon pelas obras e estudos. Pela importância do conjunto de trabalhos, Roosevelt equiparou e incluiu o mato-grossense ao grupo de quatro grandes exploradores dos tempos: Amundensen e Peary (descobridores do Polo Norte e Polo Sul), Charcot e Byrd (exploradores que se aprofundaram nas terras ártica e antártica). O nome de Rondon foi incluso na placa de ouro, na Sociedade Geográfica Americana, em Nova Iorque, ao lado daqueles exploradores.

Em 1917, foi convocado pelo governador Bispo Dom Aquino Correa para desenvolver o trabalho cartográfico sobre a demarcação da divisa do Estado, inclusive pelo Tratado de 1900 entre Mato Grosso e Pará.

A repercussão também se deu com suas obras indigenistas e seu trabalho como primeiro diretor do Serviço de Proteção ao Índio (SPI). Suas pesquisas exploratórias corrigem informações cartográficas e de navegabilidade de muitos rios. O próprio Rondon sempre fez questão de reconhecer e agradecer a contribuição dos indígenas. Optou pelo pacifismo e não agressão, mantendo várias aldeias de diversas etnias sob sua proteção.

Entre 1927 e 1930 fez a demarcação das fronteiras brasileiras com Uruguai, Argentina, Paraguai, Bolívia, Peru, Colômbia, Venezuela e Guianas, realizando estudos sobre as condições de povoamento e segurança das fronteiras.

Pelo reconhecimento de seus trabalhos cartográficos foi convidado para ser o mediador na demarcação de divisas entre Peru e Colômbia, conhecido como Tratado de Letícia, evitando um conflito diplomático que poderia, na época, chegar a guerra entre os países envolvidos.

Após esses trabalhos de definição das fronteiras dos países sul americanos, estudiosos consideram um marco divisório inquestionável de seu reconhecimento como cartógrafo. Mesmo utilizando-se de equipamentos da época, como o teodolito e sextante, especialistas de hoje confirmam que o trabalho minucioso e detalhista de Rondon foi com grande precisão. Hoje, utilizando-se de toda a tecnologia e instrumentação avançada não se encontram diferenças consideráveis nas medições e delimitações.

As fronteiras demarcadas por Rondon tiveram reconhecimento de todos os governos, de forma pacífica, não gerando conflitos entre os países ou questões de relações diplomáticas por questões de fronteira.

Também é importante lembrar que Rondon foi indicado por 15 países para o Prêmio Nobel da Paz, em 1957.

A biografia e os trabalhos são extensos. O acervo histórico de fotos, documentários cinematográficos, objetos e instrumentos estão distribuídos em oito lugares do Brasil. Nos Estados Unidos, no Museu Americano de História Natural e na Sociedade Geográfica Americana, em Nova Iorque e na Biblioteca do Congresso Nacional, em Washington.

Além de todo o reconhecimento científico e de trabalho, Rondon é destacado pelo seu caráter, senso humanitário, respeito aos homens. Quando estudante, participou do movimento abolicionista e republicano. Aluno de Benjamin Constant, seguiu a corrente positivista.

Com o ouro que recebeu em um dos 30 prêmios nacionais e internacionais ganhos por seu trabalho, Rondon custeou a construção de uma escola em Mimoso, no lugar onde havia sua moradia de infância. Acima de tudo, era reconhecido pela simplicidade, humildade e desapego material.


*José Lacerda é secretário-chefe da Casa Civil do Governo de Mato Grosso

 

 

 

 

Outras matérias
21/08/15 09:40 O mau uso das redes sociais
22/05/14 11:45 Imagina na eleição
01/04/14 20:00 MPF está em guerra ideológica com a produção brasileira
01/06/13 09:00 Recomeço
13/05/13 09:20 SÓ DÊ OUVIDOS A QUEM TE AMA
20/03/13 10:30 HOJE É TEMPO DE SER FELIZ!
11/03/13 16:45 A roda da abundância ? Parte II
17/01/13 15:02 A vida é feita de escolhas
06/01/13 17:00 2013, A LUTA CONTINUA
10/12/12 15:00 Um tempo novo
02/12/12 11:30 Melancolia e revolta
11/10/12 17:00 Pessoas com deficiência: direitos e políticas
02/09/12 14:00 Herança pesada
20/08/12 00:00 Demanda habitacional em MT
26/04/12 16:00 Manual de sobrevivência na CPI
28/03/12 23:50 Lição de casa
06/03/12 17:17 A mulher não existe
05/02/12 12:00 Crer e perseverar
16/12/11 09:40 A polêmica da Faixa de Fronteira - Parte II
04/11/11 18:00 Governadores em ação
Cadastre seu e-mail:
BR Informe é um portal independente de notícias.
Expediente | Seja um Colaborador | Fale Conosco