Sábado, dia 16 de Dezembro de 2017
Últimas Notícias
Política
Brasil
Economia
Cidades
Internacional
Esporte
Judiciário
Polícia
 
Galeria de Fotos
Galeria de Vídeos
Agenda de Eventos
Canal do Internauta
Artigos
 
Envie sua Matéria
Fale Conosco
 

 

artigos

Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
Demanda habitacional em MT
20/08/12 - 00:00 
Por: José Lacerda

 
O governador Silval Barbosa tem nas suas metas de governo a provisão de habitação, principalmente, para a população de baixa renda

A urbanização acelerada e desordenada das cidades em todo o Brasil, resultando na impactante mudança da sociedade, teve três fatores causadores da concentração urbana e do aumento de domicílios: a emigração da área rural para as cidades, o envelhecimento da população e as modificações da estrutura familiar.

O fenômeno do aumento da população urbana, ultrapassando a rural, ocorreu na metade da década de 60. No ano de 2000, passou a representar mais de 80% do total da população do país. Pelos dados do IBGE, no período entre 1970 e 2010, como reflexo dessas mudanças sociais, a população brasileira cresceu 104,78%, enquanto os domicílios particulares permanente ocupados cresceram 220,68%.

Atualmente, no Brasil há um déficit habitacional básico de 5,8 milhões de moradias, estimado pelo PNAD de 1999. Houve uma revisão dos cálculos, utilizando-se dados mais precisos pelo Censo Demográfico do IBGE de 2000, esse déficit passou para um total de 7,2 milhões de moradias em todo o território nacional.

No Plano Estadual de Habitação de Interesse Social, elaborado pela Secretaria das Cidades, segundo o IBGE (2010), levantou-se que Mato Grosso possui 1.093.774 domicílios. O déficit quantitativo no estado está estimado em 153.484 moradias, para a população de faixa média anual de renda familiar de zero a 6 salários mínimos. Esse déficit, ou falta de moradias, representa 14,03% do total de domicílios mato-grossenses.

Conforme dados de 2010 do Cadastro Único do governo federal (CadÚnico), o déficit habitacional urbano, por faixa de renda média familiar mensal, em Mato Grosso, está em quase 137 mil moradias para faixa de até 3 salários mínimos. Isso representa 89,2% do total do déficit habitacional urbano para a população de baixa renda. Esse percentual de déficit habitacional é semelhante ao estimado na região do Centro-Oeste (88,4%) e do Brasil (89,4%).

Ainda pelo CadÚnico de 2010, nas outras faixas de renda média mensal das famílias mato-grossenses foram estimados: de 3 a 5 salários mínimos o déficit é de 9 mil moradias (6%) e de 5 a 10 chega a mais de 5 mil moradias (4%) . Com renda de mais de dez salários mínimos, o déficit vai para quase 2 mil moradias(1%).

Todos esses dados são referentes a déficites quantitativos de moradias. Se levarmos em conta as moradias em condições precárias da estrutura e de saneamento, regularização fundiária, coabitação familiar (classificação para a dificuldade de compra de terra ou propriedade), ônus excessivo das famílias com aluguel e adensamento excessivo nos domicílios alugados, os números das necessidades habitacionais em Mato Grosso são ampliados em mais de 5 vezes.

Assim, do número do déficit habitacional quantitativo, em Mato Grosso, estimado em 153.484 moradias, se consideramos as condições habitacionais inadequadas e situações das famílias, pelo déficit habitacional qualitativo passa para 788.581 moradias.

Representando um aspecto fundamental das políticas públicas de combate à pobreza, o governador Silval Barbosa tem nas suas metas de governo a provisão de habitação, principalmente, para a população de baixa renda. Com parcerias junto ao governo federal, em convênios com diversos programas, o governo do Estado, por meio da Secretaria de Cidades, vem articulando e investindo nos programas que permitam o acesso não somente à moradia, mas também a serviços sociais mínimos, como de infraestrutura adequada, saneamento básico, acessibilidade, iluminação, entre outros.

Para o direcionamento da oferta qualitativa, entre 2000 e 2010, os investimentos distribuídos em todo o Estado chegaram a mais de 500 milhões de reais. No período entre 2011 e 2012, o governador Silval Barbosa já entregou um total de 11.313 moradias, em todo o Estado. A meta do governo Estadual é entregar 44 mil casas até 2014, com expectativas de superar essa meta e entregar 50 mil moradias nesse período.

O Plano Estadual de Habitação de Interesse Social está sendo discutido junto à sociedade, e em contínuo levantamento das demandas, com audiências públicas e sendo analisado na Assembléia Legislativa. No planejamento para a construção de moradias e obras de infraestrutura nos municípios, dentre os critérios diagnosticados como prioridade estão atender a demanda habitacional nas regiões metropolitanas, nas áreas de fronteira e nas cidades em expansão econômica.


*José Lacerda é secretário-chefe da Casa Civil do Governo de Mato Grosso

Outras matérias
21/08/15 09:40 O mau uso das redes sociais
22/05/14 11:45 Imagina na eleição
01/04/14 20:00 MPF está em guerra ideológica com a produção brasileira
01/06/13 09:00 Recomeço
13/05/13 09:20 SÓ DÊ OUVIDOS A QUEM TE AMA
20/03/13 10:30 HOJE É TEMPO DE SER FELIZ!
11/03/13 16:45 A roda da abundância ? Parte II
17/01/13 15:02 A vida é feita de escolhas
06/01/13 17:00 2013, A LUTA CONTINUA
10/12/12 15:00 Um tempo novo
02/12/12 11:30 Melancolia e revolta
11/10/12 17:00 Pessoas com deficiência: direitos e políticas
02/09/12 14:00 Herança pesada
26/04/12 16:00 Manual de sobrevivência na CPI
28/03/12 23:50 Lição de casa
06/03/12 17:17 A mulher não existe
05/02/12 12:00 Crer e perseverar
04/02/12 11:30 Rondon e o reconhecimento mundial
16/12/11 09:40 A polêmica da Faixa de Fronteira - Parte II
04/11/11 18:00 Governadores em ação
Cadastre seu e-mail:
BR Informe é um portal independente de notícias.
Expediente | Seja um Colaborador | Fale Conosco