Sábado, dia 16 de Dezembro de 2017
Últimas Notícias
Política
Brasil
Economia
Cidades
Internacional
Esporte
Judiciário
Polícia
 
Galeria de Fotos
Galeria de Vídeos
Agenda de Eventos
Canal do Internauta
Artigos
 
Envie sua Matéria
Fale Conosco
 

 

artigos

Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
Imagina na eleição
22/05/14 - 11:45 
Por: Dora Kramer

 

O cenário não é desejável, mas nem de longe pode ser deixado de lado. A hipótese de que a atmosfera de violência venha a contaminar o ambiente durante o auge das campanhas eleitorais País afora está no horizonte. E bem próximo.

 
É evidente que o clima de furor urbano extrapola a insatisfação com os gastos da Copa do Mundo. Não é crível que os saques, as greves de policiais, as depredações, os linchamentos, os incêndios, a ultrapassagem de todos os limites, o desrespeito generalizado tenha relação exclusiva com o Mundial de futebol.
 
O ódio está no ar. E não vai passar. Durante o mês de campeonato, asseguram as autoridades, a balbúrdia cotidiana será contida mediante a ocupação de território pelas forças de segurança. E deve ser isso mesmo. Forçosamente alguma paz de fato estará garantida.
 
Pois bem, e depois? Depois as campanhas eleitorais estarão efetiva e legalmente nas ruas, mas nada autoriza a crença de que a calma reinará. Não que a pasmaceira dos últimos tempos pré-junho de 2013 seja o ideal. Aquela indiferença, aquela apatia diante de determinadas barbaridades realmente uma hora tinha de acabar.
 
Nota-se nitidamente neste ano eleitoral um interesse muito maior pela política. Em toda parte as pessoas comentam o assunto, até para desqualificá-lo. Essa parte, o debate é extremamente salutar.
 
O problema é o ambiente de intolerância geral, com tendência à delinquência. Se, como se alega, a Copa foi uma oportunidade para as cobranças virem à tona e degenerarem para situações de completo caos, não parece que seja um exercício de pessimismo à deriva supor com grande chance de acerto que a proximidade das eleições seja vista da mesma forma.
 
Com agravantes: oportunismo de corporações irresponsáveis, conflitos entre militantes partidários cuja virulência na internet é algo assustador, incitação de grupos políticos interessados em criar dificuldades para adversários que estejam no poder (federal, estaduais ou municipais) ou em imputar-lhes falsas acusações. O terreno é fértil para exageros inadmissíveis.
 
Caso as altas autoridades ainda não tenham se dado conta, quem está na labuta do dia a dia trabalhando direto com isso percebe perfeitamente bem do que se trata. Na terça-feira, durante a greve-surpresa de ônibus - muito bem qualificada pelo prefeito Fernando Haddad como "sabotagem" (é esse o nome) - uma senhora perguntou a um policial o que estava acontecendo. Resposta: "Protesto, o que vai acontecer até o dia 5 de outubro".
 
Se houver protesto, manifestações, reclamos, cobranças, tanto melhor. É do jogo. Anarquia, destruição, selvageria, devastação são outras de natureza muito diferente. Portanto, péssimo. Ainda mais que estaremos vivendo um dos momentos (não o único) mais nobres da democracia: a escolha dos governantes.
 
Por democracia entenda-se regime de legitimidade das leis, o que é autoexplicativo em termos de potencial de prejuízo para o próprio processo, em caso de descontrole.
 
Tanto o poder público constituído quanto os candidatos de oposição a ele - em todos os níveis - têm uma responsabilidade que ainda não se vê expressa nas agendas dos que disputarão as eleições. Fácil, a tarefa não é.
 
Fazer o quê, reprimir? Ninguém quer. É complicado até mesmo defender a tese, dado que além de todos desejarem o voto dos manifestantes, os brutos também votam.
 
Dose tripla. Em fevereiro de 2012, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, perguntou ao ministro inglês que coordenava os trabalhos da Olimpíada de Londres quais eram as três preocupações que ele deveria ter em relação aos jogos de 2016, no Rio.
 
"COI, COI, COI", respondeu o colega, referindo-se ao Comitê Olímpico Internacional, a Fifa da Olimpíada.
 
 
* Dora Kramer é jornalista do jornal O Estado de São Paulo
 
Outras matérias
21/08/15 09:40 O mau uso das redes sociais
01/04/14 20:00 MPF está em guerra ideológica com a produção brasileira
01/06/13 09:00 Recomeço
13/05/13 09:20 SÓ DÊ OUVIDOS A QUEM TE AMA
20/03/13 10:30 HOJE É TEMPO DE SER FELIZ!
11/03/13 16:45 A roda da abundância ? Parte II
17/01/13 15:02 A vida é feita de escolhas
06/01/13 17:00 2013, A LUTA CONTINUA
10/12/12 15:00 Um tempo novo
02/12/12 11:30 Melancolia e revolta
11/10/12 17:00 Pessoas com deficiência: direitos e políticas
02/09/12 14:00 Herança pesada
20/08/12 00:00 Demanda habitacional em MT
26/04/12 16:00 Manual de sobrevivência na CPI
28/03/12 23:50 Lição de casa
06/03/12 17:17 A mulher não existe
05/02/12 12:00 Crer e perseverar
04/02/12 11:30 Rondon e o reconhecimento mundial
16/12/11 09:40 A polêmica da Faixa de Fronteira - Parte II
04/11/11 18:00 Governadores em ação
Cadastre seu e-mail:
BR Informe é um portal independente de notícias.
Expediente | Seja um Colaborador | Fale Conosco