Quatro ladrões de banco mortos em confronto com o Bope estavam escondidos em mata há 6 dias em MT

Por Redação em 11/06/2021 às 09:59:26

Com os suspeitos foram encontradas roupas militares, armas e parte do dinheiro do roubo. Dinheiro foi recuperado pela olícia

Assessoria

Os quatro assaltantes de banco, que foram mortos em confronto nesta quinta-feira (10) com policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope), estavam escondidos em uma região de mata há seis dias.

A Polícia Militar recuperou R$ 164.731,25 do dinheiro roubado das cooperativas de crédito Sicredi e Sicoob, alvos dos ataques da quadrilha no dia 4 de junho, em Nova Bandeirantes.

Com os suspeitos foram encontradas roupas militares, armas e parte do dinheiro do roubo. As buscas vão continuar até chegar a todos os envolvidos no crime da modalidade de Novo Cangaço.

Assalto no estilo Novo Cangaço em Nova Bandeirantes (MT)

Divulgação

Os policiais do Bope foram chamados pela equipe da Força Tática, depois de virem que uma caminhonete branca empreendeu fuga assim que avistou a barreira policial, retornando com o veículo pela Estrada Procomp.

A equipe da barreira foi atrás dos suspeitos e avistou pessoas abandonando o carro e correndo em direção à mata.

A Força Tática retornou com a caminhonete abandonada para o ponto da barreira.

De acordo com a PM, a equipe do Bope foi surpreendida por tiros e iniciou-se um confronto armado. Quatro suspeitos foram atingidos, foram levados ao Hospital Municipal de Nova Bandeirantes, mas não resistiram aos ferimentos.

A operação também continua por tempo indeterminado, com barreiras nos locais onde houve relatos de indícios e informações de presença de criminosos.

Duas agências bancárias foram alvos de assaltantes na manhã desta sexta-feira (4) em Nova Bandeirantes

Divulgação

O caso do roubo às cooperativas está sob investigação da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) da Polícia Civil.

O assalto

Segundo a informações da gerente da cooperativa, por volta de 10h40, cerca de três criminosos entraram na agência e outros três ficaram do lado de fora. Eles ameaçaram as vítimas rendendo todos que estavam no local, inclusive o segurança armado.

Os suspeitos fizeram vários disparos dentro e fora da agência. Dois assaltantes acompanharam a abertura do cofre central e retiraram todo o dinheiro, sendo também realizada a abertura dos caixas eletrônicos.

O guarda de segurança e outras pessoas foram feitas reféns formando o "escudo-humano", caracterizando a modalidade de roubo novo cangaço. O guarda foi levado pelos criminosos até a segunda agência onde era realizado outro roubo pelo mesmo grupo criminoso.

Nessa agência, os criminosos agiram da mesma forma, com a atuação de aproximadamente seis criminosos, três que entraram na agência e outros três que ficaram aguardando do lado de fora.

Segundo as informações, os suspeitos chegaram em três veículos e dispararam nas portas de vidro da agência, anunciaram o assalto e perguntaram pelo gerente.

Na frente da agência, os criminosos formaram o escudo humano para aguardar o tempo de 15 minutos que o gerente disse ser necessário para abertura do cofre.

Dois veículos foram roubados pelos criminosos logo após o roubo ao banco. Uma vítima foi levada pelos criminosos até uma ponte, onde foi liberada e os suspeitos colocaram fogo em uma caminhonete.

Outra camionete foi incendiada nessa mesma região, um pouco mais a frente, já na saída para o Distrito de Japuranã.

Os criminosos realizaram vários disparos por toda cidade e após o roubo seguiram sentido ao distrito de Japuranã. Duas pessoas foram baleadas durante o assalto, mas sem gravidade. Foram levadas ao Hospital Regional de Alta Floresta e já foram liberadas.

Fonte: G1

Comunicar erro
Agro Noticia 728x90
Coronavirus 728x90