Vereadores de Cuiabá mandam ofício ao TRE para realização de plebiscito para que população escolha entre VLT e BRT

Por Redação em 14/06/2021 às 18:52:22

A Câmara de Cuiabá encaminhou ofício ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) questionando se um plebiscito poderia ser realizado na capital sobre a escolha entre o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) e o Ônibus de Trânsito Rápido (BRT).

O ofício ainda não foi analisado pelo TRE.

A realização do plebiscito já foi aprovada pela Câmara de Cuiabá, com 17 votos favoráveis, no dia 25 de maio.

O prefeito Emanuel Pinheiro disse que nos próximos dias também vai procurar o TRE para que a população cuiabana seja consultada quanto à escolha do modal.

O prefeito já solicitou reunião com o presidente do Tribunal Regional Eleitoral e com o presidente da Câmara Municipal, vereador Juca do Guaraná, para a definição da forma que será feito o plebiscito.

BRT x VLT

A decisão do governador em pedir a substituição levou em conta estudos técnicos elaborados pelo estado e pelo Grupo Técnico criado na Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana. Os estudos concluíram que a continuidade das obras do VLT era "insustentável", demoraria mais seis anos para conclusão.

O estudo apontou diversos riscos na hipótese de implantação do VLT, segundo o governo. Um deles é o valor da tarifa, que ficou orçada em R$ 5,28, montante muito superior ao do transporte coletivo praticado na Baixada Cuiabana, que é de R$ 4,10.

Já na hipótese de instalação do BRT, a tarifa ficaria na faixa de R$ 3,04.

Outro revés do VLT estaria no subsídio que o Governo de Mato Grosso teria que pagar para que o modal funcionasse: R$ 23,2 milhões por ano.

Com o BRT, a estimativa é que a implantação ocorra em até 22 meses, a partir da assinatura da ordem de serviço para início das obras.

O custo de implantação também é consideravelmente menor. Enquanto o VLT consumiria mais R$ 763 milhões, além do R$ 1,08 bilhão já pago, o BRT está orçado em R$ 430 milhões, já com a aquisição de 54 ônibus elétricos. O Governo de Mato Grosso também vai ajuizar uma ação contra o Consórcio para que as empresas que o integram paguem R$ 676 milhões pelos danos causados.

Dinheiro gasto

Mato Grosso deve R$ 563,5 milhões do dinheiro que pegou emprestado para construir a obra do VLT, que deveria ter sido entregue em 2014, para a Copa do Mundo. A dívida será quitada apenas em 2044.

Segundo dados da Secretaria Estadual de Fazenda (Sefaz), entre os três contratos firmados para as obras de mobilidade relativas ao VLT, o estado já pagou mais de R$ 844 milhões.

No entanto, do valor do empréstimo, que foi R$ 1,1 bilhão, mais de R$ 370 milhões foram pagos até novembro deste ano só de juros.

Foram, em média, R$ 14 milhões pagos pelo governo do estado por mês, só de juros.


Fonte: G1/MT

Comunicar erro
Agro Noticia 728x90
Coronavirus 728x90