AL- Vacina que volta

Diretor declara greve de fome contra fechamento de escola em Várzea Grande (MT)

Por Redação em 21/09/2021 às 14:44:49

Escola Estadual Licínio Monteiro, que atende jovens e adultos do ensino fundamental e médio, passa pelo processo de municipalização para atender apenas a educação infantil. José Cícero da Mota durante sessão na ALMT para discutir o fechamento da escola

Arquivo pessoal

O diretor da Escola Estadual Licínio Monteiro, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, declarou greve de fome nesta terça-feira (21), como forma de manifestação contra o fechamento da unidade de ensino. José Cícero da Mota, de 42 anos, afirmou que só encerrará o 'jejum' após o governo tomar uma decisão sobre o rumo da escola.

"Tomei essa decisão de forma individual para demonstrar o meu descontentamento com o processo de redimensionamento da forma como foi conduzido", pontuou.

O g1 entrou em contato com a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), mas não obteve retorno até esta publicação.

Atualmente, o local atende jovens e adultos do ensino fundamental e médio. Neste ano, o governo, em parceria com a prefeitura, incluiu a unidade no processo de municipalização para atender apenas alunos do 1° ao 5° ano. No entanto, os profissionais de educação afirmam que foram pegos de surpresa com a decisão.

"Esse redimensionamento para o município a gente até entende quando é de uma escola que já atende do 1° ao 5° ano, mas esse não é o caso desta escola. Por isso, o nosso manifesto", disse Cícero.

LEIA TAMBÉM:

Estudantes protestam contra fechamento de escola estadual de Várzea Grande (MT)

Municipalização de escola preocupa profissionais de educação em MT

Escola Estadual Licínio Monteiro, em Várzea Grande (MT), tem 48 anos de existência

Secom/MT

A escola, que é uma das maiores do estado com 1.635 alunos matriculados, tem 48 anos de existência. O local também atende alunos estrangeiros e alunos com deficiência.

O diretor disse ao g1 que iniciou a greve de fome às 6h desta terça-feira (21). Ele afirmou que não está recebendo acompanhamento médico, por opção dele.

"Caso precise (de ajuda médica), já orientei o pessoal da escola para tomar as medidas necessárias. Se ficar definido dessa forma (o processo), cumpriremos a decisão, pois não vou descumprir ordem, mas deixo registrado o meu descontentamento", disse.

Nessa quinta-feira (23), o diretor e outros profissionais da educação da escola devem se reunir com a equipe da Seduc e da Secretaria de Educação Municipal para discutir o processo.

Fonte: G1

Comunicar erro
Agro Noticia 728x90
Coronavirus 728x90