InfoJud 728x90

'Fizemos todo o possível para restabelecer a energia', diz Bolsonaro no Amapá depois de 19 dias e 2 apagões

Por Redação em 21/11/2020 às 17:56:28

Foi a 1ª agenda do presidente no estado após a crise energética que o Amapá enfrenta desde 3 de novembro. Promessa é que geradores termoelétricos proporcionem energia para 100% da região neste sábado (21). Coletiva de imprensa do presidente da República Jair Bolsonaro em Macapá, durante apagão de energia

John Pacheco/G1

Em visita ao Amapá neste sábado (21), o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) fez um declarou que o governo federal "todo o possível para restabelecer a energia" no estado, que enfrenta uma crise energética em 13 das 16 cidades há 19 dias.

"Podemos garantir que a segurança energética vai permanecer nesse estado daqui pra frente. Estavam carentes, mas não sem assistência. Desde o começo fizemos todo o possível para restabelecer a energia no estado", falou, em entrevista coletiva com a imprensa.

O presidente demorou 19 dias para visitar o estado em meio à crise, apenas para ligar os geradores contratados provisoriamente. Ele fez um discurso breve, destacando as ações das Forças Armadas.

Até este sábado, o Amapá enfrentou dois blecautes totais: um no dia 3, que levou 4 dias para ter o fornecimento retomado mesmo que parcialmente, e outro na última terça-feira (17), que foi ajustado em cerca de 5 horas. Há investigações abertas em órgãos federais e estaduais para explicar as causas.

Veja a cronologia da crise de energia elétrica

Entenda as causas e consequências da falta de energia no estado

Na entrevista, ele declarou que o documento deve ser assinado ao longo dos próximos dias, isentando os usuários do pagamento do consumo de 30 dias anteriores à publicação da medida provisória.

O ministro Bento Albuquerque, de Minas e Energia, declarou que vai apresentar um plano energético para que uma nova crise energética volte a acontecer. O presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que é senador pelo Amapá, foi o que fez o discurso mais longo, agradecendo as ações do governo federal.

Nenhuma das autoridades citou punição às empresas responsáveis pelo apagão.

Bolsonaro chegou ao aeroporto de Macapá pouco depois das 15h, e após as 17h iniciou os procedimentos para embarcou e decolagem. Na rápida visita ao estado, ele fez breves cerimônias para ligar os geradores termoelétricos contratados para restabelecer a eletricidade em todo o estado.

Mesmo não estando na agenda, a expectativa era de que Bolsonaro aproveitasse a viagem para assinar a medida provisória que estabelece uma ajuda social — por meio da isenção do pagamento da conta de energia elétrica — para os consumidores do estado afetados pelo apagão.

Apesar da ligação dos geradores, até a última atualização desta reportagem, havia bairros das zonas Sul e Norte de Macapá sem energia.

Os equipamentos, contratados para suprir a necessidade de consumo do estado, mesmo que provisoriamente, com a ativação de 45 megawatts de energia, foram montados na subestação Santa Rita, na capital Macapá, e noutra no município vizinho, Santana.

Em Macapá, Jair Bolsonaro visitou geradores termoelétricos contratados para fornecerem energia ao Amapá

John Pacheco/G1

A visita do presidente foi anunciada na quinta-feira (19), em meio a pedidos para afastamento dos diretores da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) - que foi negado pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região.

A comitiva que acompanhou o presidente foi composta pelo ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque; pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) general da reserva Augusto Heleno; pelo presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (DEM/AP); pelo governador do Amapá, Waldez Góes (PDT); e outras autoridades.

Crise energética no Amapá: geradores termelétricos devem entrar em operação neste sábado

Nas últimas 3 semanas, o amapaense conviveu com parte do dia sem energia, já que foi estabelecido um sistema de rodízio e racionamento por regiões. Foi necessário manter novos hábitos em casa e no trabalho, até mesmo porque o cronograma nem sempre era cumprido.

Muitos moradores ficaram temerosos com a perda de eletrônicos com os desligamentos e retomadas da luz em horários fora do rodízio. Dormir também foi um privilégio.

Montagem de gerador termoelétrico na Subestação Santa Rita, em Macapá

GEA/Divulgação

Os 44 geradores movidos à combustível podem garantir o retorno total do serviço de forma gradual, que deve ser normalizado completamente só na quinta-feira (26), segundo o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

Inicialmente, o governo federal deu prazo de 10 dias para solucionar o problema, o que não aconteceu. Em seguida, a CEA prometeu acabar com o rodízio e retomar a distribuição completa em 26 de novembro.

A distribuidora de energia, chamada Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), já informou que não garante o restabelecimento de 100% de imediato do serviço e adiantou que o rodízio será suspenso, mas ainda vão ocorrer interrupções em horários de pico: das 14h às 16h e de 22h até 1h30.

O diretor-presidente chegou a pedir paciência, enquanto o problema é resolvido.

Entenda no vídeo abaixo, em 7 pontos, o apagão no Amapá:

Entenda o apagão no Amapá em 7 pontos

Os geradores termoelétricos vão garantir o abastecimento até que mais dois transformadores da principal subestação do estado voltem a funcionar. E, depois, eles ficam de retaguarda, para evitar novos blecautes.

A Justiça Federal definiu que a Linhas de Macapá Transmissora de Energia (LMTE) — responsável pela Subestação Macapá, ligada ao Sistema Interligado Nacional (SIN) e que pegou fogo no dia 3 de novembro — tem até o dia 25 de novembro para realizar a "completa solução" do problema.

Subestação em Macapá onde aconteceu incêndio

Wesley Abreu/Rede Amazônica

Na Subestação Macapá, há somente um transformador funcionando. Para garantir energia para todo o estado é necessária a instalação de um segundo, que deve ser energizado até o dia 26 de novembro. E ainda, para operar com segurança de reserva de energia, o estado recebe um terceiro transformador enviado de Boa Vista, que deve chegar em dezembro.

O segundo equipamento, que estava em Laranjal do Jari, no Sul do estado, chegou em Macapá na quarta-feira (18), após uma grande operação para o transporte, já que ele pesa cerca de 200 toneladas. Foram mais de 30 horas de viagem de balsa.

Veja o plantão de últimas notícias do G1 Amapá

Assista a vídeos do apagão no Amapá:

Fonte: G1

Agro Noticia 728x90
Coronavirus 728x90