Barroso diz que pautará em breve regulação das redes sociais no STF

Por Redação em 11/06/2024 às 06:36:54

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), LuĂ­s Roberto Barroso, disse que deve pautar em breve a regulação das redes sociais. A afirmação foi feita durante entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira (10).

Barroso afirmou que o ideal seria que o Congresso Nacional pudesse legislar sobre assunto. Atualmente, tramita na Câmara dos Deputados o PL 2630, também conhecido como "PL das Fake News".

O presidente do STF afirmou que o mundo todo vive um momento delicado em relação às redes sociais, jĂĄ que discursos de ódio são publicados nas plataformas sobre o argumento de liberdade de expressão.

"Essa regulação tem que vir em toda a parte do mundo. Se não vier do Congresso, como desejavelmente deve vir, o Supremo vai decidir, e eu vou pautar isso daqui a pouco", afirmou.

O ministro explicou que a decisão do Supremo valerĂĄ até o momento em que o Congresso deliberar sobre o assunto. Após isso, passarĂĄ a valer a legislação aprovada pela Câmara e Senado.

Barroso também disse que o STF fechou um acordo com algumas redes sociais para o combate a desinformação. Na quinta-feira (6), representantes do YouTube, Google, Meta, TikTok, Microsoft e Kwai assinaram a adesão ao Programa de Combate à Desinformação do Supremo.

Aborto

O presidente do STF também foi questionado sobre o aborto. Barroso afirmou que ainda não hĂĄ amadurecimento suficiente sobre o tema para que ele seja pautado no Brasil.

Atualmente, tramita no Congresso um projeto de lei que equipara o aborto ao crime de homicĂ­dio, além de restringir a prĂĄtica em casos de estupro, por exemplo.

Barroso disse que grande parte dos paĂ­ses democrĂĄticos e desenvolvidos não adotaram a criminalização do aborto como polĂ­tica pĂșblica. Ele argumentou ainda que, com base em estudos, a adoção deste tipo de medida não deve reduzir a prĂĄtica.

"As pessoas precisam entender que ser contra a criminalização, ser contra prender a mulher, não tem nada a ver com ser a favor do aborto", disse.

Fonte: G1

Comunicar erro
Agro Noticia 728x90