ONM 2

Quatro pessoas são presas durante operação que investiga furto de energia em MT

.

Por Redação em 24/06/2024 às 12:09:29

A ação ocorreu durante a Operação Cattus, que também cumpriu 7 mandados de busca e apreensão. A ação ocorreu durante a Operação Cattus, que também cumpriu 7 mandados de busca e apreensão.

Polícia Civil

Quatro pessoas foram presas suspeitas de integrar uma organização criminosa envolvida em furto de energia em Mato Grosso. A ação ocorreu durante a Operação Cattus, que também cumpriu sete mandados de busca e apreensão, nesta segunda-feira (24), em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá.

Segundo a Polícia Civil, um dos investigados, junto com outros quatro comparsas, se juntaram para fazer a adulteração de medidores de energia elétrica em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá. Para isso, contaram com apoio e participação de funcionários de empresas terceirizadas que prestam serviços à Energisa, concessionária de energia elétrica do estado.

A investigação revelou os responsáveis pela operacionalização da fraude e também que quatro pessoas se associaram para adulterar medidores e furtar energia elétrica, entre elas está um estabelecimento comercial que também é alvo da operação.

? Clique aqui para seguir o canal do g1 MT no WhatsApp

Investigações

Os indícios reunidos no inquérito policial mostram que três investigados são sócios em empresa que presta serviços elétricos, sendo os responsáveis pela adulteração dos medidores e instalação nas residências de pessoas interessadas na utilização do mecanismo fraudado. Um dos investigados, também integrante da associação criminosa, é responsável pela recrutação de clientes interessados na fraude e fornecimento de software para operar a adulteração de medidores.

O suspeito, que trabalhava em uma empresa terceirizada que presta serviços à Energisa, era o responsável pela venda de lacres que garantem a segurança do medidor de energia e a troca de medidores. Ele também fornecia material como uniformes, botinas e lacres com a identificação da concessionária.

? Clique aqui para seguir o canal do g1 MT no WhatsApp

Além da adulteração dos medidos, os investigados ainda explicavam como a pessoa interessada devia proceder, dizendo para o cliente ligar na concessionária e solicitar um pedido aleatório. Com o protocolo do pedido, ele entrava em contato com outro investigado, que por sua vez acionava um funcionário da concessionária em Cuiabá, que gerava uma ordem de serviço para a troca de medidor compatível com o processo de adulteração, recebendo a quantia R$ 300 por medidor trocado.

Material apreendido durante a operação

Polícia Civil

Simulação de fiscalizações

Em outra frente criminosa, um dos investigados simulava fiscalizações da concessionária, forçando os clientes da Energisa que usavam medidores fraudados a pagar valores para não serem autuados.

A investigação apontou que após realizarem a fraude em medidores, eles criavam outra situação, simulando a fiscalização para lucrar tanto na adulteração quanto na suposta fiscalização. O suspeito vendeu a um dos comparsas um pacote com cem lacres de medidores pelo valor de R$ 400 e, com os lacres em mãos, dois investigados manipulavam os equipamentos para implantar a central dentro dos medidores, fazendo o lacre e deslacre sem gerar problemas aos donos das unidades consumidoras.

A equipe apurou ainda que o responsável em fornecer o programa de computador para adulteração dos medidores de energia disse aos comparsas que estava operando um novo mecanismo de adulteração, por leitura em cabo óptico. Apenas usando o computador, ele conseguiria fazer as adulterações e cobrava de R$ 800 a R$ 1 mil por adulteração, conforme o modelo do medidor.

O suspeito disse que conseguiu o software com uma pessoa em Cuiabá e que para operar o programa eram necessários apenas um desktop com capacidade de memória de três terabytes, pelo qual conseguia adulterar qualquer medidor com leitura óptica ou medidores digitais.

? Clique aqui para seguir o canal do g1 MT no WhatsApp

'Clientes'

A investigação identificou que três pessoas, entre elas o dono de um lava jato, se beneficiaram do esquema criminoso de fraude de energia.

Informações reunidas no inquérito mostram que em fevereiro de 2022, dois investigados fizeram uma tratativa sobre o dono de um lava jato que estava interessado em fraudar o medidor de energia do estabelecimento. A indicação do estabelecimento foi feita por outra pessoa que já tinha se beneficiado da adulteração do medidor de energia elétrica.

Em março de 2022, um dos investigados que operava o esquema entrou em contato com um provável cliente interessado na adulteração do medidor de energia da residência. O responsável pelo esquema explicou ao 'cliente' a melhor forma de adulteração, com a técnica conhecida como bastão.

Fonte: G1

Comunicar erro
Agro Noticia 728x90